Com o ano de 2020 acabado de começar, é altura para traçar objetivos de ano novo e provavelmente o principal é marcar as tão aguardadas férias. Praia paradisíaca para relaxar e ler um livro (ou vários) ou montanha, ideal para um hiking aventureiro? É sempre um desafio escolher o próximo destino de férias. É por isso que uma ajuda é sempre bem vinda. Destinos para todos os bolsos, para diferentes moods e sonhos. Das Astúrias a Israel, esta é uma seleção dos lugares mais cool para arriscar em 2020. E o que têm em comum? Sustentabilidade, natureza e uma gastronomia rica – uma definição apelativa para quem tem alma de viajante. 

Paisagens de tirar o fôlego, cenários históricos e outras atrações conseguem atrair os mais diversos visitantes, nos mais variados locais do planeta. 

Salzburgo, Áustria
Situada nas margens do rio Salzach, no centro-oeste do país, é a quarta maior cidade da Áustria, depois de Viena, Graz e Linz. Terra natal do compositor Wolfgang Amadeus Mozart, Salzburgo serviu de cenário para as gravações do célebre filme Música no Coração, de 1965, protagonizado por Julie Andrews. Evento a não perder: o Festival de Salzburgo (que completa 100 anos em 2020). 

Salzburgo, Alemanha.jpg

Galway, Irlanda
Depois de Dublin estar no centro das atenções, é a vez de Galway. Além de ser oficialmente a Capital Europeia da Cultura para 2020, é uma cidade naturalmente boêmia, festiva e charmosa. Visitar um pub tradicional é obrigatório, bem como beber uma cerveja tradicional irlandesa. Planos para 2020? As novas obras de arte de David Best (o artista conhecido pelas criações no festival Burning Man) e uma série de leituras íntimas da Odisseia de Homero nas praias tempestuosas de Galway. Um plus: Margaret Atwood (autora de The Handmaid’s Tale) também participará nas comemorações do Dia Internacional da Mulher, em Março.

Galway, Irlanda.jpg

Kyoto, Japão
Kyoto oferece um contraste agradável entre o passado e o presente aliado a uma gastronomia de ponta. Se por um lado é possível visitar uma estação de trem futurista ou desfrutar de uma tarde de compras num centro comercial ultra moderno, por outro também pode passear num tradicional jardim de rochas japonês (o famoso estilo karesansui) ou visitar um santuário Xintoísta centenário. O fato de o Japão receber os Jogos Olímpicos de 2020 torna este destino ainda mais apelativo.

Kyoto, Japão.jpg

Siargao, Filipinas
Uma atração para os surfistas, Siargao está rodeada de praias, florestas e bosques com coqueiros. A novidade? Chegaram eco-resorts e hotéis sustentáveis que tornam o local o mais apelativo possível para quem adora destinos naturais. Visitar as ilhas desertas Pacífico e Alegria são pontos obrigatórios.

Siargao, Filipinas.jpg

Ilhas Égadas, Sicília
As famosas ilhas Égadas – Favignana, Levanzo e Marettimo – são um destino paradisíaco na costa ocidental da Sicília. Trilhas de montanhas, baías secretas junto ao mar e natureza conservada são alguns dos tesouros que os visitantes destas ilhas poderão encontrar. Uma das atrações principais são as pinturas arqueológicas do paleolítico e neolítico, que podem ser encontradas em Favignana (a maior ilha) e em Levanzo (a menor). A mais famosa é a Grotta del Genovese, descoberta em 1949. As águas cristalinas são uma das características que mais atraem quem procura um destino tranquilo e paradisíaco.

Ilhas Égadi, Sicília.jpg

Salvador, Brasil
Numa altura em que o Brasil está menos popular enquanto destino turístico, há ainda pequenos paraísos para se descobrir. É o caso de Salvador, que fica numa península no nordeste brasileiro. Além de ser património da UNESCO, tem uma arquitetura elegante com expressões art deco (como o elevador Lacerda, que liga a Cidade Alta à Cidade Baixa). Vale a pena dar um mergulho na praia do Porto da Barra, bem como fazer umas compras locais no Mercado Modelo.

Salvador da Bahia, Brasil.jpg

Plymouth, Inglaterra
Uma cidade portuária e um lugar especial na herança e história inglesas, Plymouth é a base principal da Marinha Real Britânica. Durante muitos anos foi apenas isso, mas a chegada de chefs de alta cozinha como Mitch Tonks ou Marco Pierre White deu algum movimento à cidade. Na zona do porto antigo, encontram-se jardins, galerias de arte contemporânea, e cafés virados para o mar. Em 2020, celebram-se 400 anos da data em que um navio Mayflower rumou à descoberta do New World (EUA) em busca de liberdade religiosa. Com a data, chegam mais de 100 eventos culturais a esta cidade, ligados à arte, ao teatro e à música.

Plymouth, Inglaterra.jpg

Dakar, Senegal
A capital e maior cidade do Senegal fica numa península e há muito que deixou de ser apenas associada ao imaginário dos rallys. Segundo a Condé Nast Traveller, esta Dakar, que é a mais ocidental das cidades africanas, é o novo “centro do estilo”. Além de organizar a sua semana da moda anual em junho, a sua Bienal também está de volta em 2020 (28 de maio a 28 de junho), marcando o 30º aniversário da iniciativa. Tem uma vida cultural forte, restaurantes e hotéis à beira-mar, e uma cultura musical que mistura os estilos dance beat, reggae e hip-hop senegalês. Tem ainda um enorme lago, o lago “Rosa”, e o gigantesco Monumento da Renascença Africana, que representa os 50 anos de independência do Senegal.

Dakar, Senegal.jpg

Deserto de Kalahari, Namíbia
A região situada entre a África do Sul e o Botswana é uma das mais escuras do planeta durante a noite. Visite o !Ae!Hai Kalahari Heritage Park para uma experiência única de visualização das estrelas e vida selvagem.

Deserto de Kalahari, Namíbia.jpg

Parma, Itália
Parma é mundialmente conhecida devido ao queijo parmesão (o rei dos queijos, resumidamente) e ao presunto (di Parma, claro). Se é apaixonado por comida, então não deve deixar de visitar esta cidade. Além disso, foi nomeada Capital da Cultura em 2020. As óperas de Giuseppe Verdi e A Assunção da Virgem, um al fresco do artista italiano da Renascença Antonio da Correggio que decora a cúpula da Catedral, são outras duas grandes atrações da cidade (para além da comida, isto é).

Parma, Itália.jpg

Tohoku, Japão
Mais um destino nipónico para conhecer em 2020. Vá até à estância de esqui de Zao, em Tohoku, durante o inverno e desfrute de uma paisagem única. Nesta área deserta encontrará florestas incríveis, lagos, santuários e templos.

Tohoku, Japão.jpg

Guatemala
A Guatemala é o lugar certo para mergulhar na cultura Maia. As raízes antigas são particularmente visíveis na região norte de Petén, o coração do mundo Maia. Veja as jóias de pedra do passado pré-latino-americano da América Central em Uaxactún, Yaxhá, El Mirador e Parque Nacional Tikal. Na Guatemala moderna e multicultural, os descendentes Maias constituem mais da metade da população, tornando o país o único na América Central com uma maioria cultural indígena. Observe de perto essa cultura riquíssima nas aldeias maias Tz’utujil, à volta do Lago Atitlán.

Guatemala.jpg

Astúrias, Espanha
Nesta província espanhola encontrará cidades pitorescas, belas montanhas e praias charmosas. Os amantes de comida também vão adorar. Experimente o queijo Cabrales acompanhado por sidra.

Cudillero, Astúrias, Espanha.jpg

National Blue Trail, Hungria
Cerca de 1126 km de pura alegria e caminhadas é o que terá aqui. A primeiro trilha de longa distância da Europa tem os seus caminhos marcados e levá-lo-á por paisagens espetaculares e cidades pitorescas. 

Koszeg, parte do National blue Trail, Hungria.jpg

Guizhou, China
É um dos segredos mais bem guardados da China. A província é remota e permanece autêntica. Experimente a verdadeira China e visite aldeias históricas onde centenas de anos de tradição ainda estão presentes. 

Guizhou, China.jpg

O Mar Morto, Jordânia e Israel
Sendo o ponto mais baixo da Terra, o Mar Morto está longe de ser um segredo. Mas as realidades da crise climática estão a provocar a alta dos níveis da água do mar e, por isso, este destino passou de um lugar para visitar um dia, para um lugar que precisa dser visitado agora. A sensação de se envolver numa relação de confiança com a paisagem aquosa, simplesmente fechando os olhos, deixando-se cair e sentindo-se empurrado para cima pela água – pode ser o motivo pelo qual tantas pessoas de tantas épocas encontraram paz aqui. Se ainda não é motivo suficiente para comprar a passagem, atente na localização-chave do Mar Morto que o torna uma paragem perfeita numa hipotética viagem pelo Oriente Médio. Petra, uma das sete maravilhas modernas do mundo, fica a apenas 135 quilômetros de distância na Jordânia e os monumentos mundialmente famosos de Jerusalém estão apenas a 34 quilômetros para o lado oposto.

Mar Morto, Israel.jpg

São Petersburgo, Russia
A antiga capital imperial da Rússia, por muito tempo porta de entrada para o país, não precisa de muitas introduções. Hoje, a cidade é mais popular nos meses mais quentes, especialmente nas chamadas “Noites Brancas” do solstício de verão. Graças às suas latitudes, a cidade quase não fica escura durante o verão e as ruas estão repletas de visitantes. Mas São Petersburgo é, sem dúvida, mais romântica nos meses congelados de inverno quando o gelo obstrui o rio Neva. Apesar das temperaturas abaixo de zero, é um ótimo momento para estar na rua. No coração da cidade, a neve e o gelo transformam edifícios históricos, pontes e canais em cenas espetaculares que evocam clássicos da literatura russa. Ballet russo no teatro Mariinsky, patinagem no gelo, sauna seguida de uma ducha gelada ou até, quem sabe, um shot de Vodka – atividades não faltam naquele que é o país mais extenso do mundo. 

St. Petersburg, Rússia.jpg

New Caledonia
Localizado a meio caminho entre as Fiji e a costa de Queensland, na Austrália, este remoto território francês pode ser definido por pores-do-sol em tons de rosa e praias de areia branca. Sendo um dos lugares menos visitados do mundo, é um destino perfeitamente remoto. É como visitar o sul da França quase vazio no verão, comer bolos amanteigados depois de uma tarde a apanhar sol e, melhor do que tudo isto, sem estar cercado por multidões. A capital Nomeia, localizada em frente a uma lagoa, combina os edifícios de herança colonial francesa com as cores do mar e do céu. Com apenas cerca de 100.000 habitantes, é fácil viver uma vida simples neste destino paradisíaco – pode ficar num Bed and Breakfast, depois passar uma tarde a fazer snorkeling ou kitesurf e terminar saboreando uma refeição fresca de peixe.

Nouméa, Nova Caledónia.jpg

Paraty e Ilha Grande, Brasil
Olhe por trás das fachadas brancas e das portas pintadas de cores brilhantes no centro histórico de Paraty, e encontrará galerias de arte moderna e restaurantes que servem cozinha tradicional seguindo a risca o conceito “farm-to-table”. Recém-classificada pela UNESCO, Paraty é uma cidade da era colonial cercada por uma floresta exuberante que é uma referência em biodiversidade. Essa biodiversidade estende-se para além da costa, até à Ilha Grande – banhada pelo sol, uma ex-colônia de leprosos e prisão que agora é um refúgio intocado – atraindo os viajantes com água límpida que abriga uma próspera vida marinha.

Paraty e Ilha Grande, Brasil.jpg

Zâmbia
Parques nacionais de tirar o fôlego e uma diversa vida selvagem caracterizam este belo país sul Africano. Com mais de 30% do território reservado a parques nacionais, uma visita à Zâmbia incentiva-o a aproximar-se da natureza. Se quer passar férias a pegar um pouco de sol, vá até ao Lago Kariba, muitas vezes equiparado à Riviera Francesa. Prepare-se para dias tranquilos de exploração num barco ou aloje-se uma vila auto-suficiente na pitoresca cidade de Siavonga. Não perca o pôr do sol – seria difícil não notar quando tons vibrantes de laranja acobreado e amarelo dourado iluminam o céu da Zâmbia, mas sempre que isso acontece, é imperdível. 

Zâmbia.jpg

%d bloggers like this: