Como um equilibrista em corda bamba, nossa vida consiste em, todos os dias, gerar e sustentar o equilíbrio de maneira sutil. Mas, em vez de olhar para baixo e ver o abismo, aqui a ideia é remodelar velhos hábitos e aprender a escolher entre o que nos torna realmente bons e o que não (tanto). Precisamente a coexistência harmoniosa entre os dois pólos é o que nos mantém saudáveis.

Em termos alimentares, o equilíbrio é crucial. A questão deixou de ser uma escolha entre comer saudável – que está longe de ser ingerir alimentos simples e sem gosto – ou alimentar-se daquilo que gera prazer imediato, mas não tem valor nutricional de qualidade – e, pelo contrário, enche nosso corpo de toxinas e prejudica o funcionamento metabólico normal. A verdadeira ferramenta é entender o enorme poder desintoxicante que temos ao nosso alcance por meio de certos alimentos.

dieta-detox-funciona.jpg

Ao contrário de dietas extremas, que prometem a conquista de uma barriga lisa e a libertação de quilos extras em tempo recorde – práticas perigosas para a saúde, fisicamente prejudiciais e mentalmente estressantes – as novas tendências de nutrição promovem um estilo de vida saudável, com hábitos de cuidados genuínos que podem ser sustentados ao longo do tempo para evitar rebotes de peso e doenças.

Como Ludwig Feuerbach (1872), antropólogo, humanista e filósofo alemão disse uma vez, “somos o que comemos”, portanto o que comemos e bebemos tem impacto em todo o corpo e, obviamente, também na pele, cabelos e unhas.

Portanto, a beleza está intimamente ligada à forma como nos alimentamos. “Se você se sente inchado, dorme mal, tem dores de cabeça frequente, insônia, o intestino não está funcionando adequadamente, sofre de constipação, gases, manifestações cutâneas, decadência, falta de energia, fadiga, muco, entre outros, essas são mensagens que seu corpo está lhe dando, que você deve ouvir para resolver”, diz Silvina Premmurti, cozinheira especializada em ayurveda, comida crua, cetológica (baseada no microbioma) e macrobiótica de fermentação.

alimentos-amigos-pele-cabelo-corpo.jpg

Uma boa maneira de travar é por meio de um processo de desintoxicação. “É nem mais nem menos que um descanso digestivo. O que o corpo precisa regularmente para poder executar suas tarefas de limpeza e gerenciamento ideal de resíduos e toxinas”, explica ela. 

Você até pode fazer um plano de desintoxicação de um dia, bebendo sucos verdes (maçã verde, pepino, salsa, aipo, espinafre, aspargo, kiwi, já que a clorofila ajuda o corpo a se livrar de toxinas) ou comendo apenas frutas e vegetais crus, mas Permmurti aconselha o jejum intermitente, o que também “não exige muito esforço, pois a idéia é fazer com que o corpo descanse da função de metabolizar os alimentos para poder desintoxicar, então o ideal é comer um jantar cedo, às 21h, e prolongar o máximo possível a primeira ingestão do outro dia; por exemplo, seria perfeito fazê-lo às 14h. Enquanto isso, é aconselhável beber água, infusões ou caldo filtrado.” Claro, é necessário frisar que antes de aderir à moda, é essencial consultar seu nutricionista para saber que tipo de jejum se adapta à sua rotina e às suas necessidades.

Nessa noite, o trabalho para diversas funções acontecerá mais rapidamente. Entre elas, eliminação de resíduos metabólicos, como células mortas, bactérias, muco intestinal ou restos de comida, equilíbrio das funções metabólicas, diminuição de inflamação, compensação da pressão sanguínea, melhora na resistência à insulina e otimização do funcionamento da intestinos

Outros dos principais benefícios dessa prática de desintoxicação são que, em jejum, quando você para de comer, a energia necessária para metabolizar os alimentos é dispensada; portanto, usamos o mesmo excedente de energia nos processos de purificação e limpeza.

detox-destaque.jpg

“No nosso metabolismo, toxinas como a uréia são constantemente geradas pelo metabolismo de proteínas. Também ingerimos pesticidas, aditivos, gorduras trans, parabenos, adicionados ao que absorvemos pela pele, a poluição ambiental que nos entra pela via respiratória e o que é adicionado de toxicidade com estresse e emoções intensas ou descontroladas que não conseguimos lidar”, lista a especialista. 

Em seguida, ela garante que, com esse jejum intermitente, a capacidade de trabalho dos órgãos de proteção é aprimorada e se limpa a matriz extracelular, que é o ambiente imediato da célula, que deve estar em estado impecável para não alterar o funcionamento do órgão. Também melhora o humor e esclarece o pensamento, aumenta a energia, e entram em vigor dois processos de cura no nível orgânico: autofagia e cetose.

 

%d bloggers like this: